Bombas de insulina, calor, viagem de avião, bolhas… Que ligação pode haver aqui?

Chega o tempo quente e com ele podem aparecer alguns problemas que até aqui eram mínimos, pelo menos para a maioria dos utilizadores de bomba de insulina.

As “malvadas” bolhas!

Como a bomba está constantemente a debitar insulina, se houver bolhas de ar no reservatório uma parte da dose de insulina pode ser substituída por uma bolha, o que levará, à partida a uma hiperglicemia.

Posto isto, é deveras importante garantir que se minimiza a formação de bolhas de ar no reservatório.

A formação de bolhas é mais comum aquando do enchimento do reservatório, e também aquando de viagens de avião, devido à alta pressão. Mas há outra situação, o CALOR.

Com o calor tendem a aparecer bolhas no reservatório.

Com calor temos também de ter em atenção de a insulina não se estraga.

Algumas dicas que se devem ter em conta em relação ao aparecimento de bolhas aquando do enchimento do reservatório são:

  1. Retirar a insulina do frigorífico e deixar à temperatura , pelo menos 2 horas antes, apesar de que o recomendado serão 24h antes;
  2. Encha o cartucho lentamente;
  3. Caso o reservatório fique com bolhas, quando for retirar as mesmas, coloque a bomba na posição vertical (saída do reservatório para cima) e com batidas leves retire as bolhas que se formaram.