Índice Glicémico e Carga Gligémica

Já se sabe que na Diabetes é importante perceber o valor glicémico dos alimentos. As terapias mais utilizadas na gestão desta condição baseiam-se na contagem dos hidratos de carbono ou glícidos.

Mas será que é só importante a quantidade deste nutriente?

Quantos de nós, depois de uma contagem pormenorizada ou com algum cuidado na refeição, ficamos admirados quando após 1 hora da refeição o valor está nas alturas e que depois passado algum tempo até estabiliza… E ficamos confusos se até fizemos a contagem correta..

Isto só acontece pois para além da quantidade de hidratos de carbono existentes nos alimentos temos outro fator importantíssimo e não só para nós, pessoas com diabetes. Este fator é o índice glicémico dos alimentos (IG).

O IG é uma forma de classificar os alimentos e refere-se ao impacto que têm na glicose em função do tempo. Alimentos com IG elevado têm um impacto muito brusco na glicemia em reduzido tempo, ou seja, os hidratos de carbono existentes nesse alimento entram de forma muito rápida na corrente sanguínea. IG baixo , precisamente o oposto.

Para além das tabelas de hidratos de carbono, também já existem tabelas com o IG de cada alimento.

Claro que em termos práticos começam a ser muitas variáveis a ter em consideração mas existem alguns fatores que fazem com que o IG elevado de alguns alimentos que até gostamos que estejam na nossa alimentação sejam atenuados:

– A quantidade de fibra e de gordura presente na refeição. A fibra ajuda a uma absorção mais lenta assim como a gordura . A gordura aqui frisada, é uma gordura saudável e também ingerida em quantidades adequadas.
– Tipo de hidratos de carbono presentes na refeição.

A Carga Glicémica já é um termo utilizado que relaciona a quantidade de hidratos de carbono com o sei IG. O alimento até pode ter um alto IG mas se por 100g tem poucos hidratos de carbono, só se ingeríssemos grandes quantidades deste é que iriamos sentir este impacto…

Em termos práticos (pois é o que é mais importante)… Supondo que gosto de comer pão branco de manhã e que todos nós sabemos como é difícil não ter um pico após a ingestão deste alimento e ainda por cima logo de manhã.. Para além de termos que tomar a insulina com o tempo necessário antes, se juntarmos uma fonte de gordura saudável, como ovos, este pico glicémico pode atenuar e se substituirmos o pão branco por pão de cereais (com mais fibra) melhor ainda.
E podemos fazer isso em todas as refeições. Não abolir o que gostamos mas tentarmos adaptar e “brincar” um pouco com os alimentos e as nossas escolhas.

Claro que este tema é de extrema importância, não só para nós mas também para todos. A resistência à insulina vai acontecendo ao longo do tempo devido a estas flutuações de glicemia tão disfarçadas em pessoas que não têm diabetes, por isso, fica o alerta.